segunda-feira, 11 de junho de 2007

Sobre todas as coisas, paixão e a perpetuaçao da espécie

Aproveitando a ocasião do mês dos namorados, nada melhor que um post sobre amor para dar um up no nosso bounce rates. Mas se você veio até aqui procurando por dicas de presentes para o dia dos namorados (tudo em até 10x no cartão sem juros) é melhor dar uma olhada nisso aqui, ou, se você veio aqui querendo saber o que fazer para agradar a pessoa amada sem gastar muita grana, então dá uma olhada nisso aqui, porque a idéia central do post não é exatamente esta. Ou então, mande apenas um cartão descolado como estes.
Na real, esse post nada mais é do que uma resposta e uma melhor explicação para o questionamento feito pelo nosso amigo e loyal leitor Germano Heckler. Há uns posts atrás ele me questionou se eu nunca estivera apaixonado, pois segundo ele, a paixão, seja por alguém ou por alguma coisa (no caso, um time de futebol -- sim, ele disse que pessoas são apaixonadas por seus times de futebol! /o\), é inexplicável, incompreensível e não tem a menor necessariedade de fazer algum sentido, porque afinal, é uma paixão. Eu discordo. A meu ver, todas as cosias têm que fazer sentido. Tudo na vida tem um porquê, desde o por que você estuda, por que você se alimenta, até o por que você assisti à um jogo de futebol ou por que você carrega uma tradição. Aliás, a paixão é uma das coisas que mais faz sentido.
Eu penso que se algo que você faz não tem a menor razão, ou não faz o menor sentido, ou não lhe traz nada de útil, não lhe "agrega valor", não lhe acrescenta em nada, logo, aquilo é fútil e você só continua a praticá-la se você gosta de coisas fúteis que não fazem sentido, e não precisa ser expert para perceber isso.
É claro que a vida não é feita apenas de coisas úteis que necessariamente façam sentido e lhe agregue valor, não somos robôs/máquinas (ainda), precisamos de um tempo de lazer, de "apreveitar a vida", de algo pelo qual valha a pena viver, pois caso contrário, aí sim a vida seria totalmente sem sentido. Mas é sempre bom termos em mente que um dia tem 23h 56m 04s, não mais e nem menos, e quanto mais tempo gasto com coisas infrutíferas, menos tempo sobrará para aquilo que realmente faz sentido.
Mas e o que tudo isso tem a ver com paixão e perpetuação da espécie? Tudo! E tudo é muito simples. Geralmente nos apaixonamos por aquelas pessoas que melhor nos satisfaça e/ou que melhor atenda às nossas necessidades/especificidades, ou seja, pela "pessoa perfeita" (p.e.: mulheres inseguras procuram por homens que lhes transmitam segurança). E, ao nos apaixonarmos, nosso cérebro meio que bloqueia nossa capacidade de notarmos defeitos nesse alguém confirmando a idéia de que aquela pessoa é sem dúvida a pessoa perfeita! Tendo a idéia de que aquela pessoa é a pessoa perfeita, procuramos fazer de tudo para manter essa pessoa o mais perto possível, pois de alguma maneira isso nos faz bem e você também quer parecer a ela ser a pessoa perfeita, e, nada mais racional e óbvio do que escolher a pessoa perfeita para dividir com você os genes dos seus decendentes.
Em outras palavras e/ou em uma visão estupidamente simplória e racionalista, a paixão nada mais é do um rótulo "bunitinho" para a perpetuação da espécie.
Mas, afinal, o que todas as coisas tem a ver com paixão/perpetuação da espécie? Simples também. Voltemos às perguntas: Por que você estuda, por que você trabalha, por que você se alimenta, por que você respira, por que todas as coisas que você faz? Ao tentar responder essas perguntas, quanto maior o grau de abstração, mais ficará claro em sua mente que todas as coisas que você faz, as faz em busca da sobrevivência, tal qual nos primórdios da humanidade onde esse conceito é muito mais claro e perceptível. E, sobreviver na biologia (logo, cientificamente falando), está intimamente ligado a perpetuação da espécie, dessa maneira, todas as coisas que você faz, de alguma maneira as faz para a perpetuação da espécie.
Voltando a visão estupidamente simplória e racionlista, nosso objetivo, ou, o cerne de tudo o que fazemos enquanto animais, enquanto seres vivos, é em prol da perpetuação da espécie.
Concluindo, ainda bem que existe a paixão e o amor para deixar tudo isso mais belo e harmonioso, para transformar essa lógica estruturada em algo completamente inexplicável, incompreensível e que muitas vezes não faz o menor sentido. E ainda proporcionar belos dias e momentos inesquecíveis, para os namorantes obviamente. Para os não namorantes, paciência! free cell, copas, pimball... (ok, ok.. essa foi fraca..)