quinta-feira, 28 de junho de 2007

Papel

Ah não, essa monografia que rouba de forma cruel todo o meu tempo vai render um post agora .. bom .. eu poderia falar do aquecimento global, do mercado de carbono e das tantas siglas que dele derivam, o MDL (CDM), CCX, CER (CRE), GEE (GHG), também do Protocolo de Quioto (kyoto), do Anexo I, do Não-Anexo I, do CO2, N2O, CH4, enfim, essas coisas das quais estou escrevendo minha monografia .. mas vou contar uma historinha .. vai ver é daí que vem minha curiosidade sobre os problemas ambientais que enfrentamos..lá vai..

Colégio (estadual), sétima ou oitava série, não sei o pq mas as classes estavam, de certa forma, com uma fina camada de poeira quando chegávamos na sala de aula, isso ocorreu durante cerca de um mês .. vai saber .. cidade pequena, colheita do arroz, empregadas públicas mal pagas e bêbadas? Realmente não sei, mas .. minha colega todo dia arrancava uma folha do caderno e limpava a classe, de modo áspero, papel amassado e classe .. arrepios. Todo o dia! Era demais! Aquele papel branquinho vinha de uma árvore, eu pelo menos sabia disso .. ela, acho que não.

quarta-feira, 27 de junho de 2007

Out to lunch

Não! Nós não morremos, não fomos sequestrados por cientistas malucos e/ou ETs, não famos presos por dirigir bêbados (isso só a Paris Hilton faz) e nem fomos convocados para a seleção do Dunga. Sim! Sabemos que Le Nouveaux está jogado às traças ultimamente. Mas a gente explica.
Acontece que estamos em época de entregar a Mono que (agora é confirmado) exige dedicação total e exclusiva! E, em tempos como este, quaisquer cinco minutos gastos com outras, digamos.. amenidades, são considerados disperdício de tempo sem tamanho.
Mesmo posts como estes, escritos em plena aula de Custos (ah, o professor tá ensinando de novo a somar, diminuir, multiplicar e dividir), já não são aconselháveis. Mas todo esforço é valido para manter o blog sempre atualizado (ou sempre não muito desatualizado?).
Mas uma coisa pode ser tomada como certa. Fazendo minhas as palavras do Anonymous Gourmet: Voltaremos!! ... as soon as possible =)

quinta-feira, 21 de junho de 2007

Sobre a (ir)racionalidade dos esportes e alguns pitacos

Não é mistério para ninguém que sou fã incondicional nato de Fórmula 1. Já acordei às 5h da manhã para ver um treino e fiquei acordado até às 4h para o mesmo fim (inclusive naquela época em que a Ferrari dominava tudo e todos -- maus tempos). Admiro a perfeita união homem-máquina (hoje muito mais máquina do que homem) onde tudo é "milimemente" calculado. Milímetros, miligramas e milisecundos fazem toda a diferença. Também não sou um banco de dados em forma humana tal qual o é Reginaldo Leme, mas penso que estou além do meio entre este e um ignorante.
Às vezes eu fico pensando como será que as mulheres (e/ou aqueles que não apreciam tal esporte) vêem a F1. Fico tentando imaginar o que se passa na mente destes(as) quando olham com desdém para a TV para certificar o que o ronco agudo dos motores a quase 19000 giros já lhe dava por certo: "Humm.. 22 carrinhos dando volta em círculos para ver quem chega primeiro.. pff!" Mas eu lhes asseguro, é muito mais do que isso!
Não consegue me entender? Humm.. ok, vamos falar de futebol então.
Que tal 22 homens divididos em dois times correndo atrás de uma bola com o objetivo de colocá-la, com o pé, dentro de um retângulo? E o pior, quando o consegue, os entusiastas do time que conseguiu fazem questão de provar toda sua racionalidade de nematelminto com atitudes que até sodomitas, acéfalos e bôbos da corte (bata tudo no liqüidificador até virar em uma mistura homogênea) duvidam.
E o que falar daqueles que gastam, além do seu tempo vendo os jogos (incorrendo em custos de oportunidade sem tamanho), gastam ainda seu dinheiro lotando estádios (destes -- vamos ser bonzinhos -- 90% meros proletariados em seu mais puro sentido) e contribuindo para os ricos ficarem cada vez mais ricos (para poderem comprar suas Ferraris 430s, seus Porsches Cayenes e afins) e os pobres cada vez mais pobres (não precisa de exemplos, né?!).
Mas aí você pode argumentar: "E o público da F1, não estão gastando seu tempo também? E por acaso eles entram nos GPs de graça?". Ok. Para a primeira pergunta, não precisa ser muito bom em matemática para saber que se você resolver acompanhar a maioria dos jogos (nem precisa ser todos) do seu time apenas no campeonato brasileiro, você já gastou mais tempo do que se assistisse a todos os treinos e corridas de uma temporada inteira da F1. Para a segunda pergunta, obviamente que não! Mas eu penso que o público que pode gastar de $400 a $8.895 (sim, exatamente: oito mil oitocentos e noventa e cinco!! -- preços da entrada para o GP do Brasil deste ano) para ver seu dinheirinho mini fotuna se esvaindo a velocidade dos 22 carrinhos que passam por ali a cada volta, se encontram em uma situação no mínimo mais confortável do que os que gastam $20 (uma média estupidamente grosseira) para ver seu time do coração jogar. Isso sem contar que é meio impossível algum dia você ouvir a mídia noticiar: "ferrarista é morto por mclaristas em briga de torcidas organizadas após GP".
Mas tudo bem, se você (pensa que) é feliz¹ gastando seu tempo e dinheiro com jogos de futebol.. Ok, go ahead and be happy! =) Só não me venha depois desdenhar a Fórmula 1 e seus (raros) admiradores.

_______
¹ Já ouviu falar no trade-off entre ignorante feliz e sábio depressivo? Não? Humm.. Ok, thank you for coming. =)

Ps.: Esse assunto dá para se estender muito mais, no entanto o post ficaria ridiculamente longo. Pode-se dizer, por exemplo, que ao gastar dinheiro com times de futebol, você está contribuindo para a desigualdade social o que já não ocorre com os gastos efetuados pelos entusiastas ricos da F1 com suas equipes também ricas. Pode-se dizer também, que gastos com F1, indiretamente, você estará contribuindo para o desenvolvimento de novas tecnologias que irão facilitar seu dia-a-dia no futuro. O que eu penso que o mesmo não pode ser dito em relação ao futebol. E há ainda o desenrrolar de tudo isso, mas que foge ao desígnio deste post explicitá-las.

terça-feira, 19 de junho de 2007

E mais séries

Da série: "Cientistas desocupados criam ...

Máquina de fazer furacões"

Totalmente excelente!

Ah, já sei. Eles fizeram isso para quando vier um furacão de verdade, eles vão lá, fazem um outro. Aí os dois (o original e o originado) vão guerrear (igual as cobras de Moisés e Faraó no Egito) e, benzadeus, o originado (ou não-original) vai ganhar, e aí não haverá mais furacões destruidores na face da terra, porque o originado vai voltar pra casa e depois ser transformado em não-furacão de novo, e aí todos vão viver felizes para sempre.
Não?
É, não deu.. mas eu tentei!

segunda-feira, 18 de junho de 2007

Left Lane Drivers

O primeiro adesivo que vou colocar no meu carro:



Mais informações aqui.

sexta-feira, 15 de junho de 2007

Soluções Scott Adams

Não escondo de ninguém que sou um leitor assíduo do Dilbert Blog. Lá, Scott Adams desepeja todo seu potencial em tratar de assuntos muitas vezes sérios e delicados com toda ironia e sarcasmo de um criador de tirinhas cômicas.

Há muito suspeitava que ele tinha formação acadêmicas na área de economia, principalmente por sua aguçada visão do 'mundo econômico', até descobrir aqui que minhas suspeitas não estavam erradas.

Todos os leitores de seu blog sabem que freqüentemente ele gosta de tentar resolver os problemas mundias por um método muito peculiar que ele denomina “sitting and thinking about stuff”, nunca deixando de ser cômico. Sempre traz soluções ótimas (na maioria das vezes impraticáveis, mas ótimas!). Já tentou resolver a crise no orinte médio, recentemente fez uma série de quatro posts sobre o aquecimento global (#1, #2, #3 e #4 - vale a pena dar uma olhada se o tema realmente te interessa) e agora trouxe uma magnífica solução para a crise energética. E dessa vez até que não tão impraticável assim.

Veja:

Imagine a few years in the future, when almost every phone has GPS, high speed internet, and a few other goodies. Hold that thought.

Now look out your window and see how many cars have exactly one passenger. It’s most of them. If you can get two or three people in a car, the world is a happier place, energy-wise, pollution-wise, and traffic-wise. The problem is that ride sharing is inconvenient. Hold that thought too.

Now imagine a future where a large company, say Google, sets up a service that lets you find a ride to share in less than a minute, from anywhere to anywhere. You walk out your front door, take out your phone, fire up Google Maps, point to your destination on the map, and wait for the service to negotiate a ride for you.

Sempre com o bom e velho sarcasmo:

Imagine walking out of Home Depot with a cart full of building materials, firing up your phone, and finding someone with a truck who is heading toward your neighborhood. It beats trying to fit lumber in your Prius.

Simples, fácil, eficaz e eficiente:

My idea will solve the energy crisis, reduce global warming, put a cap on terrorism, reduce pollution, eliminate traffic congestion, and virtually eliminate drunk driving.

Essa é uma daquelas idéias que depois que a gente vê, fica se perguntando: "como eu não pensei nisso antes?!"

Àqueles que procuram por "blogs de conteúdo", que te façam refletir, que ler não vai ser apenas uma perca de tempo, taí a dica. No mínimo você vai dar umas boas risadas.

quinta-feira, 14 de junho de 2007

Quadrinhos (não) toscos

Esse não é tosco não.. é sério.

Para quem tiver um bom "filtro", tempo e paciência aqui tem mais.

Links Bacanas #5

E chega a quinta edição do que de melhor e mais interessante há na internet a fora.

1. Já quis saber por quais lugares seu gato anda? Simples, amarre um colar com uma mini-câmera no pescoço dele, igual fez esse cara aqui, e veja o resultado.

2. This is the text of the Commencement address by Steve Jobs. Meio extenso, mas vale a pena! Eu diria, uma lição de vida.

3. Como começar - e completar - seu relatório de estágio ou trabalho de conclusão de curso. Muito interessante! =)

4. Faça seu próprio dinheiro sem complicações.

terça-feira, 12 de junho de 2007

O mundo EUA

Um mapa interessante. Cada estado americano foi renomeado por um país com um PIB semelhante. Por exemplo: O estado de Nova Iorque tem um PIB similar ao do Brasil.
http://www.freakonomics.com/blog/wp-content/uploads/2007/06/usaofgdp.jpg

Clique aqui para ampliar.

segunda-feira, 11 de junho de 2007

Sobre todas as coisas, paixão e a perpetuaçao da espécie

Aproveitando a ocasião do mês dos namorados, nada melhor que um post sobre amor para dar um up no nosso bounce rates. Mas se você veio até aqui procurando por dicas de presentes para o dia dos namorados (tudo em até 10x no cartão sem juros) é melhor dar uma olhada nisso aqui, ou, se você veio aqui querendo saber o que fazer para agradar a pessoa amada sem gastar muita grana, então dá uma olhada nisso aqui, porque a idéia central do post não é exatamente esta. Ou então, mande apenas um cartão descolado como estes.
Na real, esse post nada mais é do que uma resposta e uma melhor explicação para o questionamento feito pelo nosso amigo e loyal leitor Germano Heckler. Há uns posts atrás ele me questionou se eu nunca estivera apaixonado, pois segundo ele, a paixão, seja por alguém ou por alguma coisa (no caso, um time de futebol -- sim, ele disse que pessoas são apaixonadas por seus times de futebol! /o\), é inexplicável, incompreensível e não tem a menor necessariedade de fazer algum sentido, porque afinal, é uma paixão. Eu discordo. A meu ver, todas as cosias têm que fazer sentido. Tudo na vida tem um porquê, desde o por que você estuda, por que você se alimenta, até o por que você assisti à um jogo de futebol ou por que você carrega uma tradição. Aliás, a paixão é uma das coisas que mais faz sentido.
Eu penso que se algo que você faz não tem a menor razão, ou não faz o menor sentido, ou não lhe traz nada de útil, não lhe "agrega valor", não lhe acrescenta em nada, logo, aquilo é fútil e você só continua a praticá-la se você gosta de coisas fúteis que não fazem sentido, e não precisa ser expert para perceber isso.
É claro que a vida não é feita apenas de coisas úteis que necessariamente façam sentido e lhe agregue valor, não somos robôs/máquinas (ainda), precisamos de um tempo de lazer, de "apreveitar a vida", de algo pelo qual valha a pena viver, pois caso contrário, aí sim a vida seria totalmente sem sentido. Mas é sempre bom termos em mente que um dia tem 23h 56m 04s, não mais e nem menos, e quanto mais tempo gasto com coisas infrutíferas, menos tempo sobrará para aquilo que realmente faz sentido.
Mas e o que tudo isso tem a ver com paixão e perpetuação da espécie? Tudo! E tudo é muito simples. Geralmente nos apaixonamos por aquelas pessoas que melhor nos satisfaça e/ou que melhor atenda às nossas necessidades/especificidades, ou seja, pela "pessoa perfeita" (p.e.: mulheres inseguras procuram por homens que lhes transmitam segurança). E, ao nos apaixonarmos, nosso cérebro meio que bloqueia nossa capacidade de notarmos defeitos nesse alguém confirmando a idéia de que aquela pessoa é sem dúvida a pessoa perfeita! Tendo a idéia de que aquela pessoa é a pessoa perfeita, procuramos fazer de tudo para manter essa pessoa o mais perto possível, pois de alguma maneira isso nos faz bem e você também quer parecer a ela ser a pessoa perfeita, e, nada mais racional e óbvio do que escolher a pessoa perfeita para dividir com você os genes dos seus decendentes.
Em outras palavras e/ou em uma visão estupidamente simplória e racionalista, a paixão nada mais é do um rótulo "bunitinho" para a perpetuação da espécie.
Mas, afinal, o que todas as coisas tem a ver com paixão/perpetuação da espécie? Simples também. Voltemos às perguntas: Por que você estuda, por que você trabalha, por que você se alimenta, por que você respira, por que todas as coisas que você faz? Ao tentar responder essas perguntas, quanto maior o grau de abstração, mais ficará claro em sua mente que todas as coisas que você faz, as faz em busca da sobrevivência, tal qual nos primórdios da humanidade onde esse conceito é muito mais claro e perceptível. E, sobreviver na biologia (logo, cientificamente falando), está intimamente ligado a perpetuação da espécie, dessa maneira, todas as coisas que você faz, de alguma maneira as faz para a perpetuação da espécie.
Voltando a visão estupidamente simplória e racionlista, nosso objetivo, ou, o cerne de tudo o que fazemos enquanto animais, enquanto seres vivos, é em prol da perpetuação da espécie.
Concluindo, ainda bem que existe a paixão e o amor para deixar tudo isso mais belo e harmonioso, para transformar essa lógica estruturada em algo completamente inexplicável, incompreensível e que muitas vezes não faz o menor sentido. E ainda proporcionar belos dias e momentos inesquecíveis, para os namorantes obviamente. Para os não namorantes, paciência! free cell, copas, pimball... (ok, ok.. essa foi fraca..)

sábado, 9 de junho de 2007

Saia masculina #2

Olha só .. o que eu disse aqui a tempos atrás, o Toni Garrido confirmou aqui.


Será que ele anda lendo Le Nouveaux?

sexta-feira, 8 de junho de 2007

Globalização

Da série "definições ótimas":

Globalisation means Chinese poor get DVD players

---

A doença futebol e "O boteco"

Futebol é uma doença! E infelizmente não há medicina que a explique, e consequentemente, nem que a cure também. Psiquiatria talvez.
Hoje (07.06.2007), um bando de pessoas desocupadas se reuniram pela enésima vez aqui em frente em bar criativamente nomeado "O boteco" para assitir mais uma partida de futebol. Até aí tudo bem, pessoas desocupadas se reunem com freqüência em muito lugares por aí, o problema é que cada um traz suas quinquilharias e montam lá uma escola de samba (ou um centro de umbanda - não dá para saber ao certo) em recinto não maior que 25 m², fazendo um barulho infernal. O que eu penso que eles não sabem é que ondas sonoras se propagam pelo ar mesmo após as 22h.
Se isso já não bastasse, ainda me resta ouvir as doces canções de ninar por eles cantadas que conseguem reunir em dois versos todos os palavrões existentes e os não existentes também. Peço a Deus que não haja nenhuma criança de ouvidos puros no raio de uns 100 metros para que não ouçam tamanhas imundicies, visto que perdir para não serem acordadas seria um pouco mais difícil. Aí eu lembro das sábias palavras: "A boca fala daquilo que o coração está cheio".
Para colaborar um pouco mais, os infelizes ganham e para comemorar de uma forma muito inteligente, cada um pega seu carro e vai dar uma volta. Destes, um parte já bêbados e a outra duas vezes mais bêbados, mas ambas as partes acreditando que o som da buzina é um som muito agradável aos ouvidos. Uma lástima por completo!
Aí eu não sei se alimento meu ódio ou tenho dó das pobres almas penadas que disperdiçam seu tempo, voz, dinheiro e às vezes até suas vidas tudo pela paixão pelo futebol. Algo que nunca, em momento algum, lhes será retribuído nem seque um duodécimo do total gasto. Uma "paixão" totalmente inútil, totalmente sem sentido, ou, como diria Salomão: "é como correr atrás do vento".
E eu fico me perguntando tentando entender, qual a razão de tudo isso? Onde está a racionalidade, característica inata e principal do ser humano? O que eles realmente ganham com isso, ou, o que eles pensam que ganham com isso? (ênfase no 'pensam')
Quando eu digo que a pobreza de espírito, dos males do século é a pior, querem me tirar a razão.
E o resultado de tudo isso? Eu aqui escrevendo esse post à 1h da manhã de um sexta-feira (dia útil, diga-se de passagem) tenho que acordar daqui a umas 6 horas aproximadamente tentando dormir ao som de uma bela orquestra de buzinas, cornetas, gritos gulturais e outros barulhos-não-identificáveis que de uma maneira muito sutil e educada, pedem lincença e invadem meu quarto com a maior naturalidade de uma lei da física, e as mídias amanhã anunciando: "Torcida faz festa bonita comemorando título"
Ah! Esse é o meu Brasil tão grande e amado, é o meu país idolatrado!

quarta-feira, 6 de junho de 2007

Le Nouveaux | ano 2

Em um belo dia 06.06.06 (não, não foi por acaso) alguns josés sem muita coisa a fazer tiveram a brilhante idéia de fazer um blog. E fizeram. Hoje, exatamente um ano depois, temos como resultado cento e vinte oito posts, aproximadamente duzentos e cinquenta comentários, mais de duas mil e duzentas e vinte visitas (sim, tudo em extenso para parecer maior), e muito, mas muito aprendizado.
E para saudar este um ano de muito trabalho árduo e dedicação áustera, entramos neste novo ano como se estivéssemos entrando em uma nova era. A era do amadurecimento, de deixar para traz as mazelas do passado e centralizar nossos esforços em atingir nossos objetivos, nunca esquecendo de apreciar os belos momentos que a vida nos proporciona. Uma era para se aprender muito mais!
E provando o caráter dinâmico e inovador que tem o Le Nouveaux, entramos nessa nova era com visual novo e adicionamos muitas outras usabilidades, buscando sempre a maximização do bem-estar proporcionado. Devido às mudanças e ajustes que ainda estamos terminando de efetuá-las, pedimos a total compreensão e opoio dos leitores caso aconteça algo inesperado.
Bom, sem mais para o momento, despeço-me agradecendo a todos pela cordial companhia e esperamos revê-los em breve.
Vida longa ao Le Nouveaux!

Gaúcho pride

Já foi discuto aqui há algum tempo essa questão de valores culturais e tudo mais. Conclui que com esses valores não se meche, muito embora já ter dito Leo Strauss no ápice de sua sabedoria: "If all values are relative, then cannibalism is a matter of taste". Mesmo assim, por mais esforçado que você seja, dificilmente irá conseguir mudar as mentes de pessoas que pensam pequeno e enxergam apenas o próprio umbigo.

Vagando blogosfera afora, encontrei esse texto bem interessante sobre o tal "gaúcho pride" e, pasme(!!!), vindo de uma (ao que tudo indica) gaúcha. Fico realmente feliz ao ver que existem pessoas que pensam exatamente como eu penso, o que me faz sentir de alguma forma aliviado.

Bom, um resumo rápido. Tudo começou quando o deputado Onyx Lorenzoni foi ao Jô Soares com seu inseparável kit chimarrão que, a meu ver, é muito mais um exibicionismo do bairrismo gaudério do que pelo próprio "prazer/vontade" de tomar água fervendo com pedacinho e gosto de mato. Daí o Reinaldo Azevedo resolveu dar o seu pitaco a respeito e a Tia Cris só complementou:

Poucas coisas são tão RIDÍCULAS quanto a mania do gaúcho de viver a berrar para o mundo sua "gauchice".

(...)

Caro conterrâneo: antes de sair afirmando sua proveniência por aí, pare dois segundos para pensar SE POR ACASO ALGUÉM SE IMPORTA de onde você vem ou deixa de vir, e qual a relevância disso para o resto da humanidade. É apropriado para, ao menos, poupar o filme daquelas pessoas que nasceram no mesmo lugar que você, mas, diferentemente de você, não dependem de origem, pátria ou região para possuir uma identidade.

Taí! Falou e disse!

terça-feira, 5 de junho de 2007

Pesquisas Google

Vai aí uma seleção das pesquisas mais bizarras efetudas no google que, por razões totalmente desconhecidas, acabaram por resultar o nosso estimável blog. Respectivamente, alguns comentários.

Namorar é algo que vai muito mais além - Bom, se você diz, ok..

Qual a dificuldade em dizer eu te amo - Eu não vejo absolutamente nenhuma!

Já fui de esconder o que sentia, e sofri com isso - Acho que vou abrir um consultório psicológico online =)

Ja no estas mas a mi lado corazon - Conjeturo que voy a abrir la oficina de un doctor psicologico online =)

Como é a vida de um estudante japonês - Humm.. Eu diria que é tipicamente uma vida de estudante japonês..

Frases que emo diz no orkut - ¬¬

Como se fala erdinger - Ok, essa eu sei: "erdáinguer". Mas cuidado, erdinger não é uma palavra assim a ser dita em qualquer lugar.

A delícia de assistir um filme debaixo das cobertas - Isso é uma pesquisa?

Cars uzado comprar - Em que língua você quer que eu responda? Inglês, ??? ou português?

Origem de após longo e tenebroso inverno - Bom, tudo começou quando.. ah, deixa pra lá, vai..

pininhos de latinha - ???

video lacraia pocoto - O mais triste é saber que pessoas procuram por isso.. =/

conceito palavra entuziasmo - É, essa palavra eu também desconheço.

what does pocoto means? - E eu fico tentando imaginar o tiozinho gringo tentando ler algo em português e se depara com essa glória da cultura brasileira. Aí, totalmente perplexo diante da situação resolve pedir socorro ao oráculo. Mas não foi dessa vez..

E para finalizar:
O lado negativo de edson arantes do nascimento
- É simples. Interpretando "lado negativo" como sendo "lado negro", faça uma regra de três. Anakin Skywalker está para Darth Vader assim como Edson Arantes do Nascimento está para _____. Viu? Fácil, né?! Eu diria, indolor.

sábado, 2 de junho de 2007

Sapatos no Divã

Olha só que interessante:

Anônimo_Incógnito: O mundo anda me parecendo cada dia mais triste...
Psicóloga: Talvez você esteja sofrendo de depressão.
Anônimo_Incógnito: O mundo está em depressão, eu não... Eu uso sapatos vermelhos...
Psicóloga: E o que isto tem a ver?
Anônimo_Incógnito: Só caras de bem consigo mesmo usam sapatos vermelhos...
Psicóloga: E quem te disse isso?
Anônimo_Incógnito: É fato... Pessoas deprimidas não conseguem usar sapatos vermelhos...
Psicóloga: Eu estou de bem comigo mesma e não uso sapatos vermelhos.
Anônimo_Incógnito: Tente usar um... Só assim você saberá se realmente está bem consigo mesma...
Psicóloga: Se você diz... Vou tentar qualquer dia...
Anônimo_Incógnito: ...
Neitor_no_canto: Humm..Será q serve pra allstar também?

* Trecho plagiado, parcialmente, e editado sem autorização, deste blog fantástico!


sexta-feira, 1 de junho de 2007

Quadrinhos (não) toscos


O gráfico é ótimo! Clique na imagem para ampliar.

Fonte: PhD